Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Preparar a chegada de bebé

por Anabela Andrade Santos, em 03.10.19

Como vem sendo hábito, sempre que está um bebé para chegar faço uma mantinha.

Desta vez, resolvi fazer mais uns miminhos. Ao longo dos tempos, sempre que vou encontrando um modelo de bebé que gosto, costumo guardar. Não que seja para fazer de imediato mas para futuramente se necessário, já ter uma certa biblioteca.

Em Maio soube que a família ía aumentar e a Margarida vinha aí quando ninguém estava à espera. Perante esta surpresa, não podia ser só uma manta, tinha que fazer alguns modelos que queria testar.

Após a primeira manta, com fio Dralon 4 da Tricots Brancal, encontrei fio Nanny print da Rosários 4 em casa que não iria utilizar e resolvi fazer mais uma manta. 

O casaco da Malha a Malha, já é um clássico e também tinha que ser feito. Usei fio para bebé da Tricots Brancal. Continuo a adorar este modelo. Também da Malha a Malha, tinha um modelo de botinhas. Como brincadeira, usei fio Tea Cup da Rosários 4 que tinha sobrado de um casaco que fiz para mim.

Passei depois às costuras. Fiz 3 sacos de maternidades, 3 babetes e 3 porta chuchas com tecido 100% algodão do Planeta dos Tecidos que tinha comprado na FIA. Nos babetes usei um tecido de algodão com uma parte impermeável igual ao dos reguardos de colchão, que comprei na Loja do Sr. Jacinto, nas Caldas da Rainha.

Os miminhos estão entregues. A Margarida ainda não nasceu (será hoje?), mas eu estou muito satisfeita com este pequeno enxoval.

2019-09-06 10.21.52 2.jpg

2019-09-06 10.21.53 1.jpg

2019-09-06 10.21.51 2.jpg

IMG_20190907_110136.jpg

2019-09-06 10.30.33 1 (1).jpg

2019-09-06 10.21.51 1.jpg

2019-09-06 10.21.48 1.jpg

2019-09-06 10.30.34 1.jpg

IMG_20190907_110440.jpg

 

Manta de bebé e casaco em tricot

por Anabela Andrade Santos, em 08.10.17
Dizem que os vizinhos são a família mais próxima.

Vivemos nos arredores de Lisboa cerca de 16 anos, mas sempre com o objectivo de voltar para o centro da cidade. Em finais de 2009, conseguimos encontrar a nossa casa, no local que queríamos. Mudamos em Janeiro de 2010 para uma casa muito mais pequena, com mais de 60 anos, um terceiro andar sem elevador, ou seja, completamente diferente do que tínhamos, mas mesmo assim muito mais felizes.

Quando começamos a procurar casa em Lisboa, o nosso receio era os vizinhos. Estamos numa zona de faculdades, com imensos estudantes a arrendar quartos, festas a toda a hora, turistas a entrar e a sair, barulho, confusão, chatices. Mesmo assim, arriscamos e ainda bem.

O nosso prédio tem apenas 6 apartamentos ocupados por 9 pessoas e parece uma comunidade. Todos nos ajudamos. Há sempre um miminho para todos quando vamos de férias. Há sempre fruta quando uma das vizinhas vai à casa que tem em Santarém. Há sempre um cuidado quando um dos vizinhos está doente. Respeitamos o espaço de cada um, mas sabemos que estamos lá para o que for preciso.

A juntar a tudo isto, tanto eu como o meu marido vamos a pé para o trabalho e a filhota, até Junho também ía a pé para a escola.

Em Agosto, soube que uma vizinha ía ser avó. Nem foi preciso pensar mais. No dia seguinte estava a comprar lã para fazer uma mantinha e um casaco. Fui à Brancal e comprei o fio  Dralon 4, com 50% de lã e 50% polyester para a manta e os novelos de fio para bebé, para o casaco.

Foi a primeira manta que fiz em tricot e adorei o modelo. O casaco foi um tutorial que já tinha visto no blog Malha a malha (que aconselho a visitarem) e que estava à espera de uma oportunidade para o fazer.

Este fim de semana vou entregar os miminhos à avó babada e espero que a "nossa" pequenina quando nascer em Novembro fique bem aconchegada na sua manta e casaco, pois foi a pensar nela que eles foram feitos.

Um agradecimento à filha tão especial pelas fotos que tirou, prevendo que a partir de agora serão todas da sua autoria.
















Mantinha de bebé

por Anabela Andrade Santos, em 15.04.15
Faz 11 anos em maio que entrei para o meu atual emprego. Nesta casa conheci muita gente, muitos colegas entraram e muitos saíram, mas alguns ainda hoje se mantém lá.

Quando entrei, conheci uma das colegas, com a qual comecei a explorar todo o universo que nos rodeava pois tinha entrado também naquela altura. É muito mais nova que eu, mas a empatia foi imediata; a vontade de aprender, de descobrir, de resolver os inúmeros desafios que nos são colocados diariamente, fez com que nos juntássemos cada vez mais.

Em novembro soube que ela estava grávida e no último mês do ano veio a notícia que era uma menina. No dia seguinte fui comprar as lãs, pois era preciso fazer uma mantinha.

A escolha do modelo foi o mais difícil de decidir, mas depois de muito pesquisar e experimentar, decidi fazer o mesmo modelo de uma que estou a fazer para mim (há tanto tempo!!!!!), em que até as cores são muito idênticas. Daqui a uns tempos vamos estar as duas embrulhadinhas em mantas iguais. 

A entrega foi hoje e a mãe gostou. A minha "sobrinha" nasce brevemente e irá sentir-se quentinha e aconchegada com algo que foi feito para ela e a pensar nela.

Beijos da "tia".





Prendas de Natal

por Anabela Andrade Santos, em 01.01.15
Como já foi dito, as prendas de Natal este ano foram quase todas feitas por mim. A logística foi um pouco mais difícil e obrigou a uma organização muito maior, mas foi muito mais gratificante. 

Com uma certa antecedência, tive que pensar no que iria fazer e para quem; ver os tecidos que tinha em casa e os materiais que precisava de comprar; começar a mantinha, pois é o trabalho que demora mais tempo; "montar" tudo na sala e começar a seleccionar tecidos para depois ir comprar os fechos para os estojos (a confusão que foi na loja); verificar as medidas, marcar, cortar, alfinetar e deixar em stand by, para depois coser tudo. 

Com tudo isto, posso dizer que entrei no verdadeiro espírito de Natal e andei tão feliz com toda esta azáfama. Cada prenda foi pensada ao pormenor e nada foi comprado de impulso, numa correria desenfreada num qualquer centro comercial. 

O saco e o estojo da menina mais pequenina, teve umas medidas mais pequenas e o rosa e os cupcakes foram os padrões escolhidos. O saco e o estojo da menina mais velha, já não teve uns padrões tão ameninados e o estojo foi mesmo feito com o tecido vintage do saco que fiz para mim. Para a minha afilhada, os tons não podiam mesmo ser em rosa, daí ter escolhido os azuis e uns padrões mais neutros (parece-me que a mãe vai usar o saco).

Foram prendas feitas com muito carinho e cada uma delas teve uma atenção especial. 

Espero sinceramente ter acertado nos gostos das "minhas" meninas e meninos.

A mantinha de lã para o mais pequenino
O elefante de tecido com os olhos pintados pela minha princesa

A manta, o elefante e o gorro para o bebé

Estojo para lápis para mais um rapaz

Estojo e lápis Viarco (se compramos alguma coisa que seja português)

Estojo, lápis e gorro (este com um pompom, pois o pequenote já é grandinho)

Saco e estojo para a princesa mais nova

Saco e estojo para a mais velha

Saco e estojo para a "minha" princesa que não gosta de rosa

Quando o tecido é lindo e as idades muito próximas, só mudamos o forro e o tecido do estojo




Prontos para embrulhar (faltam dois que já tinham sido entregues)



Mantinha de bebé e boneco de tecido

por Anabela Andrade Santos, em 16.08.14
Apesar de estarmos longe, não implica que aqueles que gostamos sejam esquecidos. Nos Estados Unidos, está uma prima já com dois pequeninos lindos e um terceiro quase, quase a chegar. Quando soube da novidade, as ideias começaram a fervilhar, as lãs e os tecidos foram comprados e os trabalhos começaram a surgir.

Foi mais um trabalho feito com muito carinho, nos intervalos de todos os afazeres diários, pois só assim é que conseguimos transmitir a felicidade que nos dá produzirmos algo para alguém especial.

Espero que o nosso pequenino se sinta confortável com esta mantinha, que brinque muito com o boneco de pano e que toda a família saiba que nós, cá deste lado, gostamos muito de todos eles.








Mantinha de crochet

por Anabela Andrade Santos, em 31.03.14
Oferecer uma prenda a um bebé, muitas vezes é complicado. As ofertas disponibilizadas no mercado são muitas, mas também é verdade que nem sempre correspondem aquilo que pretendemos oferecer. A dúvida instala-se e o que deveria ser um momento de partilha e de mostrar o quanto estamos felizes pelo nascimento desse bebé, transforma-se numa luta em que na maior parte dos casos ganha a exaustão, fazendo com que se compre "qualquer coisa". Não é esse o meu objectivo, nem o que pretendo quando ofereço uma prenda a alguém próximo. 

Assim, quando soube que vinha mais um primo a caminho, foi com grande alegria que parei todos os trabalhos que estavam começados - sim, nunca tenho apenas um trabalho em  mãos - e comecei a escolher as cores com que ía fazer uma mantinha. O modelo foi o mesmo do da manta cor de rosa, alterando apenas as cores.

Com isto, passei algum tempo a fazer aquilo que me dá tanto prazer, ofereci uma prenda útil, não comprei mais um brinquedo que provavelmente iria ficar esquecido no meio de todos os outros e não ofereci uma peça de roupa que já não serve pouco tempo depois. Enquanto a estava a fazer, lembrava-me deste bebé pequenino que ainda estava para nascer; agora, será a mãe que cada vez que o tapa, se lembra de quem lha ofereceu. 




publicado às 14:14

O começo

por Anabela Andrade Santos, em 19.03.14
Finalmente este blog começou. Será um espaço para registar o que me faz feliz, o que me acalma e me faz sorrir. Lãs, linhas e tecidos, porque cada vez mais é algo que me entusiasma, mas não é só, também há os livros, as viagens, a fotografia, a culinária, sem esquecer a parte mais importante, aqueles que me apoiam e incentivam e que quase me obrigaram a criar este blog: o meu marido e a minha filha.
Assim, depois de muita insistência, o blog foi criado mas nenhum post foi publicado; ou porque não estava inspirada, ou não tinha uma fotografia para colocar, ou simplesmente porque não me apetecia. Hoje apeteceu-me e coincidência ou não, hoje é dia 19 de março, dia do pai e dia dos anos da minha mãe. Não gosto muito de dias pré-definidos, mas obrigatoriamente hoje temos que falar no pai, pelo que só me resta deixar aqui um grande beijo ao meu pai (apesar de já não estar entre nós), ao meu sogro e ao meu marido, pelo grande pai que é. E um grande beijo também à minha mãe pelos seus 78 anos, cheios de energia e alegria de viver. Obrigada "pais" e obrigada mãe, por tudo aquilo que me proporcionam.

Voltando ao título do blog, deixo aqui uma mantinha, feita com muito carinho para uma bebé linda.











Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D